quinta-feira, 3 de maio de 2012

Grito

Uma das notícias que li hoje foi que o quadro do pintor Norueguês Edvard Munch "O Grito" foi vendido por 91 milhões de euros, a base de licitação estava nos 40 milhões de euros e em apenas 12 minutos foi vendido por 91 milhões, existem quatro versões deste quadro, três estão em museus na Noruega e este estava na posse de um empresário Norueguês cujo pai tinha sido amigo e patrono do pintor, com o dinheiro arrecadado vai construir um hotel e um museu em Hvitsten na Noruega, acho que com a pipa de massa que vai receber pode ficar debaixo de um coqueiro a ouvir o mar e a beber bebidas coloridas o resto da vida dele, e as próximas gerações também podem gozar de uma vida confortável.


Depois fiquei a pensar quem teria comprado o quadro por aquela quantia,  provavelmente alguma família Árabe ou algum magnata da Rússia, e será que vão colocar o quadro nas sala ou provavelmente vai para algum cofre na Suiça.


Esta história fez-me lembrar um episódio, trabalhei numa empresa em Lisboa em que a dona era Arquitecta e era uma apaixonada pela arte, frequentava exposições e adorava comprar quadros,  houve uma vez que comprou um quadro de um jovem pintor que tinha ganho um prémio internacional e lá abriu os cordões à bolsa e desembolsou uma quantia bastante avultada, e levou o quadro para uma quinta que possuía fora de Lisboa e frequentava apenas ao fim de semana, nessa quinta viviam os caseiros, o homem tratava do exterior e a mulher das lides da casa, quadro pendurado na sala tudo muito bonito,um desses fins de semana a arquitecta foi descansar até à sua quinta e ao lá chegar vai até à cozinha cumprimentar a empregada e eis que ao lá chegar depara-se com um dos seus piores pesadelos vê o quadro a secar no chão a cozinha e se a última vez que o viu lembrava-se da predominância do azul Indigo agora era de um azul desmaiado e todo manchado, em pânico tenta compreender o que se tinha passado e a empregada com a sua ingenuidade diz-lhe que olhou para o quadro e viu bolor e que faz muito mal à saúde então para acabar com aquilo passou-lhe água com lixívia e assim ficou limpinho, acho que a empregada perdeu o emprego e a arquitecta uns bons euros, o quadro agora estava no gabinete da empresa e sempre que ia lá dava-me vontade de rir.





8 comentários:

  1. Lol! Já viste o que faz o excesso de zelo? As pessoas são muito ingratas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A empregada preocupada com a saúde da Sr.ª Arquitecta e ainda foi despedida :)

      Eliminar
  2. rrrssss Não deveria ser despedida, deveria ser ensinada!!

    Esses milhões, para mim, s+o podem ser lavagem de dinheiro proveniente de armas, drogas e prostituição!!!

    Ninguém ganha honsetamente tanto, que dê oara pagar esse preço obsceno seja por aquilo que for.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas a Arquitecta tinha muito sangue na guelra e não havia a mínima hipótese de perdoar a empregada.

      Quanto ao valor escandaloso dado pelo quadro, também nunca vi ninguém a trabalhar honestamente a poder fazer uma extravagância destas.

      Eliminar
  3. Credo... o que ela foi fazer. Mas a dona do quadro deveria ter avisado o valor do mesmo á senhora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas para o bolso dela aquele valor era normal.

      Eliminar
  4. Há gente muito estúpida mesmo! Cabe na cabeça de alguém lavar um quadro?!?

    E sim, imagino que aos outros desse muita vontade de rir, mas para a arquiteta até era "justa causa" para esganar a estúpida criatura... :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A arquitecta agora contava o episódio e ria-se, mas na altura e com o feitio que tem, nem quero imaginar a reacção que teve quando viu o que tinha acontecido.

      Eliminar