quarta-feira, 9 de maio de 2012

Modernices

A minha saga contra a ligação à internet continua, diz que o wireless está com um problema e eu continuo à espera, e é nestes momentos que vejo o quanto dependente da net sou, parece que falta qualquer coisa se formos a ver em casa pouco preciso da net, a não ser para ir visitar os meus amigos virtuais, ver uma receita e outras pequenas coisas, mas saber que não tenho acesso parece que é que quando mais preciso, recuando uns anos atrás e se for ver não muitos era o mesmo que não ter uma enciclopédia ou um dicionário em casa  quando havia alguma dúvida de como se escrevia uma palavra ou saber algo sobre um país e ainda me lembro daqueles calhamaços que eram os livros de receitas como o Pantagruel e os livros da Maria de Lurdes Modesto. 
O mesmo se passa com o telemóvel, apesar de ter uma relação muito saudável com o meu, se me esquecer dele em casa parece que falta qualquer coisa, quando o uso do telemóvel não era vulgarizado ainda me lembro de ser miúda e ir às Amoreiras e vi um senhor a passear com um que mais parecia um tijolo de tão grande que era e tudo aquilo me pareceu tão estranho nunca pensando que daqui a uns anos também ia ter um mas de dimensões reduzidas, sempre que saía e ia de férias sem os meus pais tinha de ligar para casa então lembro-me de comprar aqueles cartões da PT ou ia até a um café e existiam aqueles contadores de impulsos, penso que deve ser já uma peça de museu.
Agora vou-vos visitar até às vossas casas virtuais e tentar comentar já que ontem não consegui.

14 comentários:

  1. Não te apresses por mim, podes comentar quando te der mais jeito... :))))))))))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ehehehe! mas ainda não perdi a esperança, espero que até lá, já tenha o wireless arranjado.

      Eliminar
  2. às vezes tenho saudades do tempo em que não havia tlm. As chatices demoravam mais tempo a chegar :)

    ResponderEliminar
  3. Compreendo-a muito bem.

    Eu fumei décadas, embora não muito(excepto quando me divorciei).

    Quando decidi dexar de fumar, andei durante muito tempo com cigarros na mala, para ter a certeza de que se me apetecesse os teria à mão.

    Agora, há anos que não carrego esse peso, rrss

    Um bom dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São, nem a propósito este comentário, quando estava a escrever o post estive para acrescentar cigarros, sou fumadora e quando não tenho cigarros entro em stress, até pode não me apetecer fumar mas se sei que não tenho entro em stress.

      Eliminar
  4. Rainha, já somos dois. Não é a necessidade absoluta, é o facto de sabermos que não temos aquilo à disposição que chateia.

    (as tuas são sempre esperadas:) )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas é mesmo, fico contente de saber que me lêem e que aguardam as minhas notícias :))

      Eliminar
  5. As tecnologias dão uma trabalheira tramada.

    ResponderEliminar
  6. Eheheh, o meu primeiro telemóvel era desses que parecia um tijolo. E arranjei-o muito antes da maioria dos portugueses, porque na época trabalhava num local em que não havia telefone por perto. Decorria então o ano de 1996... :))

    Quem diria que nos tornaríamos todos tão telemoveldependentes? Quanto à net é um facto que criou outra dependência. Mas mais para essa das receitas ou conversas virtuais, porque não prescindo do meu dicionário por perto. Já para informações genéricas ou notícias de última hora também é bastante útil. Como pesquisávamos antigamente a data de nascimento do Brad Pitt, para dar um exemplo jeitoso? Mistério! Já não me lembro... :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era nas revista "Bravo" Teté :)

      Eliminar
    2. Um dicionário também tenho e não dispenso.

      Eliminar
  7. Já não sabemos viver sem as "modernices". Mudaram tanto a nossa vida que é difícil gerir os dias sem contar com a internet ou o telemóvel. E pensar que há pouco mais de 10 anos se vivia perfeitamente sem nenhum dos dois.

    ResponderEliminar